Você está aqui
Home > Cenários & Dados > Estelionatos e furtos crescem em São Leopoldo

Estelionatos e furtos crescem em São Leopoldo

segurança pública São Leopoldo

Publicação da ACIST-SL divulga Índice de Violência de São Leopoldo

Durante vários anos, São Leopoldo fez parte do preocupante status de ser um dos municípios mais violentos do Estado e do País. Os veículos de comunicação noticiavam consecutivamente crimes violentos como homicídios e feminicídios. Este assunto passou a ser amplamente debatido pela comunidade e pela ACIST-SL, que tem a Segurança Pública como uma das suas bandeiras.

A entidade incluiu este tema como capítulo temático do seu Boletim Socioeconômico Trimestral, que elaborou um Índice de Violência. Tem como ano base 2014 e compreende as principais estatísticas dos indicadores criminais e de violência contra mulher disponibilizados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública.

E nesta quinta-feira, 31, a entidade divulgou, em transmissão ao vivo pelas redes sociais, a 15ª edição do Boletim, analisando os dados de 2014 a 2021 e expondo novamente os índices da Segurança Pública (informações estas que já foram apresentados nas edições de número 3, 7 e 11).

 Segurança Pública São Leopoldo
Dados foram analisados por representantes da ACIST-SL e dos órgãos de Segurança Pública de São Leopoldo

Participaram do evento Job Zanella, diretora de Serviços e coordenadora do Boletim Trimestral, Felipe Feldmann, presidente da ACIST-SL e Rogério Daniel da Silva, diretor de Segurança Pública da ACIST-SL. O setor de Segurança Pública foi representado pelo major Alexsandro do Nascimento Goi, comandante do 25º BPM, Eduardo Hartz, delegado da 3º DPRM, delegado Ayrton Martins Júnior, do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO) e Nestor Schwertner, secretário de Segurança de São Leopoldo.

Em 2021, foram elaborados dois Índices de Violência de São Leopoldo. O motivo foi o alto número de casos de estelionatos que surgiram com a Pandemia por Coronavírus, desvirtuando as análises. Sem os dados de estelionato, o Índice ficou em 80,8 e com estelionato, sobe para 184,8.

Em todos os dados monitorados, São Leopoldo é comparada com os municípios de Gravataí, Novo Hamburgo e Canoas, por apresentarem densidades demográficas semelhantes.

O Boletim mostrou que a violência contra a mulher é contínua e alguns dados apresentam elevação. Em 2021, o feminicídio tentado foi de 0,9 casos para 10 mil habitantes. A taxa de crescimento foi de 233,3 na comparação de 2020/2021, pois em 2020 foram três casos e em 2021, houve 10 episódios. Este crescimento pode ser devido aos atentados ou também pela presença da Delegacia de Atendimento à Mulher (DEAM), que oferece mais segurança para a vítima relatar os ataques.

Os furtos e o tráfico de drogas são os crimes que tiveram aumento nos últimos dois anos. Em ambos, o aumento da estrutura das forças de Segurança Pública contribuiu para a conclusão e o registro dos episódios.

Em 2021, a taxa de furto por 10 mil habitantes foi de 124,3, fazendo que com São Leopoldo fosse o município – dentre os quatro avaliados – com a taxa mais alta entre 2020/2021. Este aumento pode estar relacionado à pandemia, uma vez que centenas de pessoas perderam o emprego e também à elevação dos registros de casos.

A taxa de roubos de veículos em São Leopoldo, que aumentava continuamente entre 2012 e 2015, agora apresenta uma queda expressiva. Em 2014 foram roubados 469 veículos. Em 2021, os casos caíram para 234.

O percentual de crescimento do tráfico de entorpecentes foi de 14,5% em 2021 comparando com 2020, sendo que a taxa por dez mil habitantes foi de 23,0. Com isto, São Leopoldo contabilizou o índice mais alto entre os quatro municípios pesquisados.

Já a posse de entorpecentes tem índices um pouco menores. São Leopoldo é o segundo no ranking dos quatro municípios, quando são avaliados os números de consumo por 10 mil habitantes e teve redução de 24,8% na taxa de crescimento entre 2020/2021.


Autoridades avaliam os dados

Felipe Feldmann – Presidente de Associação Comercial, Industrial, de Serviços e Tecnologia de São Leopoldo

Para o dirigente, o Boletim é um instrumento valioso para que tanto a iniciativa privada como o poder público possam tomar decisões que visam o desenvolvimento da cidade. “Ao comparar São Leopoldo com outras três cidades, podemos ter uma imagem muito real de onde precisamos melhorar e estabelecer as ferramentas para isto”.
Medidas – Como a criminalidade tem relação direta com os níveis de emprego, educação, habitação, gravidez na adolescência e vulnerabilidade social, a Entidade sugere e apoia ações municipais para a redução destes índices, como mais investimento na Educação Básica e incentivando os jovens a permanecer na rede de ensino e destacando a preparação para que ingressem no competitivo mercado de trabalho da Tecnologia da Informação, setor onde São Leopoldo está em franco crescimento. Com a consolidação desta nova economia devido ao sucesso do Parque Tecnológico de São Leopoldo, dispor de jovens qualificados localmente deve ser um incentivo para toda a sociedade.
Para a violência contra a mulher, faz-se necessário uma ampla política de sensibilização de toda a sociedade.

Job Zanella – diretora de Serviços e coordenadora do Boletim Socioeconômico Trimestral da ACIST-SL


“Para tomar decisões, é preciso ter dados fundamentados”, assinalou Job Zanella. A violência, segundo ela, é um item de extrema gravidade, ainda mais contra a mulher, que precisa ser combatido fortemente, assim como a repressão ao tráfico de entorpecentes.

Rogério Daniel da Silva – diretor de Segurança Pública da ACIST-SL

Rogério Daniel lembrou que a criação de uma diretoria de Segurança, há seis anos, foi resultado do peso que as empresas associadas tinham com este setor. Havia necessidade de estreitar o relacionamento e também auxiliar em demandas pontuais que precisavam de maior agilidade. “A aproximação dos organismos com o empresariado se reflete no PISEG, no qual o empresariado local fez contribuições que levaram à aquisição de 14 viaturas semi-blindadas para São Leopoldo. A diretoria tem o papel de aproximar os organismos junto ao empresariado e associados.

Eduardo Hartz – Delegado da 3ª DPPM

Esta é a terceira vez que participa do Boletim e concorda que a pesquisa e divulgação dos dados é extremamente benéfica para a sociedade, servindo para embasar as ações estratégicas.

Violência contra a mulher – “Em dezembro de 2019 tivemos a instalação da Delegacia de Atendimento à Mulher, com a união de muitos esforços da comunidade, que pressionou o poder público e foi conquista de várias mãos. Passamos a ter redução da cifra oculta, com o registro de mais ocorrências e ações de proteção”.

O delegado aponta que o furto, que está em crescimento, é um delito com mais dificuldade, porque a vítima tem dificuldade de reconhecer o criminoso.  E como não gera apenamento, não se consegue manter o suspeito preso.

O estelionato é decorrência em razão da massificação das redes sociais na pandemia. Como não gera violência contra a vítima, também é de difícil prisão.

Homicídios – Hartz celebra o fato deste início de ano registrar 60 dias sem homicídios, o que é um dado histórico. Em fevereiro de 2019 houve oito homicídios. Março de 2020, foram nove e nenhum em fevereiro desde ano. Já roubos a pedestre, houve, em 2017 um total de 1.818 roubos e em 2021 foram 914 casos. Isto é, menos da metade.

Quanto ao roubo de veículos, que é um dos indicadores que mais preocupa no programa RS Seguro, o delegado relata que houve em fevereiro nove roubos. Na série histórica, foi a maior redução. Em janeiro de 2019, ocorreram 64 roubos. Em fevereiro 2020, foram 57 e em fevereiro de 20221, foram 24 roubos. Em fevereiro deste ano, foram nove. “A diminuição é muito acentuada. Mostra a solidez do trabalho integrado das instituições de segurança e da comunidade”, aponta. “Fica a sensação de dever cumprido e o segredo é o diálogo constante, o entendimento entre os órgãos de segurança e às entidades. Nos sentimos confortáveis em trabalhar.

Delegado Ayrton Martins – do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO).

Desde a instalação da DRACCO, em dezembro de 2019, vem monitorando indivíduos que já estão aprisionados, bem como uma organização criminosa, em uma operação chamada Família G, localizada no bairro Feitoria. Em três semanas, foram 23 prisões preventivas. A meta é de 120 prisões.

Há o auxílio forte da Segurança Pública municipal, o cercamento eletrônico tem ajudado às três forças policiais. E para 2022, estão previstas novas operações. “com certeza, o apoio das entidades tem sido vital para o sucesso das operações e ainda há muito ainda a fazer”.

Major Alexsandro Goi – Comandante do 25º Batalhão da Polícia Militar

Há 40 dias atuando no comando, relata que o trabalho está sendo intenso, com a realização de operações diárias com trabalho de inteligência com a Polícia Civil. Acredita que o aumento do índice sobre tráfico de drogas é resultado do aumento das apreensões.

Ele revela que em março aumentou muito o número de roubos de veículos, com 30 ocorrências, tornando-se um ponto de atenção.

E para contribuir para a redução na violência contra a mulher, está atuando junto ao projeto Maria da Penha, realizando revisitas em vítimas com medidas protetivas. “O crime de violência doméstica é singular e em São Leopoldo tem proporção acima dos demais municípios, principalmente nos finais de semana”.

Nestor Schwertner – Secretário Municipal de Segurança Pública

Schwertner destacou a importância dos dados para tomada de decisões. Como exemplo, apontou que em janeiro de 2022, foram registrados 15 assaltos a ônibus. “Estamos estudando uma forma de controle, como um botão de pânico a ser acionada para algum órgão. O setor de transportes está em crise e precisa de condições seguras para seus passageiros e trabalhadores”. Também em janeiro 2022 ocorreram 16 roubos a estabelecimentos comerciais.

As ações transversais dos órgãos de segurança, incluindo Bombeiros e Policia Civil e demais secretarias e com a sociedade também foram destacados pelo secretário.
O conteúdo completo do 15º Boletim pode ser acessado aqui:

https://acistsl.com.br/arquivos/boletim-socioeconomico-trimestral-15–edicao—seguranca-publica1648735355.pdf

A transmissão com a apresentação das autoridades pode ser acessada aqui:
Youtube:
https://www.youtube.com/watch?v=YI4-Touauqs&t=2288s

Facebook:
https://www.facebook.com/acistsl/videos/764888664458389

A realização do Boletim Trimestral é viabilizada pelo patrocínio das empresas Sicredi Pioneira, Unimed, Frontec e Sinodal.

Redação: Elizabeth Renz (Reg.Prof 8228/95) Jornalista e coordenadora de conteúdo do Portal São Leopoldo Negócios & Companhia

Top