Você está aqui
Home > Personas > Adalberto Broecker recebe título Cidadão Leopoldense

Adalberto Broecker recebe título Cidadão Leopoldense

Entrega da condecoração, dia 30 de agosto, é um reconhecimento ao médico e ao empreendedor que cuida da saúde e apoia o desenvolvimento da cidade

 

Adalberto Broecker Neto não é só um nome, mas uma marca registrada para milhares de pacientes gaúchos que encontraram nele o médico, o amigo, o ser humano. Basta mencioná-lo e logo se ouve “cuidou do meu pai”, “cuidou de minha mãe, “cuidou do meu filho”, “cuidou do meu avô”. Frase inicial de uma trilha de falas emocionantes e de superações. Porém muitos nem imaginam a quantidade de histórias acumulada por trás do impecável jaleco branco. O menino inquieto de Carazinho se tornou o 1º oncologista clínico do Rio Grande do Sul e fundou, em São Leopoldo, a Oncologia Centenário, referência no tratamento de câncer na América Latina. Cuidados com a saúde, empatia e a crença no desenvolvimento econômico-social da cidade lhe renderam o título Cidadão Leopoldense, designação proposta pelo vereador Júlio Galperim a ser entregue em 30 de agosto, às 18 horas, na Câmara de Vereadores.

Falar do doutor Adalberto é uma missão esfuziante. Basta alguns minutos ao seu lado para mexer os ponteiros do tempo, conectando o passado ao presente. Descendente de alemães sua ligação com São Leopoldo está enraizada em sua árvore genealógica – os Sehn, os Schwertner e os Broecker. O dr Adalberto não herdou apenas o sobrenome alemão, mas o empreendedorismo e a determinação. Do internato em Passo Fundo, aos 9 anos, foi para Porto Alegre aos 14 anos. Aos 17 anos passou no vestibular para Medicina em quatro instituições, dando preferência para a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs).

PIONEIRISMO – Com o apelido “placenta”, por sua feição mais jovial que a dos demais colegas de curso, Broecker Neto ingressou no mundo da Medicina, profissão que o traz para São Leopoldo. Em 1969, fez plantão no Hospital Centenário. “Naquele ano, fui fazer um lanche no barzinho localizado em frente ao hospital e acabei assistindo, em preto e branco, um grande feito: o homem pousando na lua”, lembra ele, que fez a residência no Hospital Ernesto Dornelles, em Porto Alegre.

Nos anos seguintes, atuou na área de clínica cirúrgica e, em 1975, decidiu dar um up grade na carreira ao ir para Toronto, no Canadá, onde se especializou em Oncologia Clínica, no The Princess Margaret Hospital.  Ao voltar para o Rio Grande do Sul como 1º Oncologista Clínico do Estado, trouxe várias inovações. Coube ao dr Adalberto implantar os Centros de Tratamento de Câncer dos hospitais Ernesto Dornelles, da PUC e do Conceição e criar a 1ª Disciplina de Oncologia Clínica da PUCRS. “Vi nascer a especialidade”, recorda. Também presidiu diversas entidades, como a Sociedade de Cancerologia do Rio Grande do Sul, a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) e a OncoBrasil – Cooperativa de Oncologia Clínica do Brasil, além de ser membro da Sociedade Brasileira de Cancerologia, da American Society of Clinical Oncology e da European Society of Medical Oncology.

UNIVERSALIZAÇÃO & HUMANIZAÇÃO – Mas o esplêndido currículo é só parte da história de vida. O pensamento da universalização do acesso à saúde sempre foi a matriz dos planos do oncologista. E foi com esse pensamento que idealizou um investimento próprio. “Tudo o que aprendi, usei para planejar um serviço com ênfase na universalização, sem diferenciação, que pudesse atender a todos igualmente”, conta. O sonho que para muitos poderia ser impossível virou realidade com a Oncologia Centenário, nome dado em homenagem ao hospital e fundada no ano de 2001, em São Leopoldo, localização escolhida por ser acessível a 3 milhões de pessoas, o que representa 30% da população do Rio Grande do Sul.

“Somos a primeira clínica brasileira a implantar a humanização do atendimento desde o início do tratamento. Quando uma pessoa está na minha frente, eu não sei se ela veio pelo plano de saúde, se está pagando a consulta com recursos do próprio bolso ou se é do SUS. Para mim não faz diferença, todos merecem tratamento igualitário e os serviços mais modernos”, afirma Broecker Neto. Exigência de política de atendimento seguida por toda a equipe. Atenção dada diariamente aos mais de 200 pacientes em tratamento e aos seus familiares, vindos de 30 municípios da região metropolitana, vales do Sinos, Caí e Paranhana e Encosta da Serra gaúcha.

INVESTIMENTOS – Com o objetivo de aperfeiçoar constantemente a estrutura de atendimento na clínica não faltaram investimentos. A área de 2.500 m² é equipada com a mais moderna tecnologia de combate ao câncer. De 2013 para cá, mais de R$ 4 milhões em recursos próprios foram aplicados para implantação de equipamentos e novas técnicas que garantem eficácia e redução do tempo de tratamento. Primeiro, foram os aceleradores lineares de radioterapia guiada por imagem (ImageGuidedRadioTherapy/IGRT) e, desde o começo do ano está em operação a Radiocirurgia e Arcoterapia Volumétrica Modulada (VMAT).

Tecnologias avançadas usadas igualmente, sem distinção.  Mas o SUS cobre este tratamento avançado? A resposta é não. Mesmo assim o paciente faz o tratamento mais adequado, independente do custo. “Oferecer um tratamento ditado pelo SUS seria retroagir no tempo e nas possibilidades de cura”, diz Broecker Neto. Segundo o oncologista, a tecnologia avançou tanto que é impossível empregar uma técnica do passado, até porque ela não faz mais parte da rotina da clínica.

O modelo de atenção universalizada, aliado à tecnologia, também se reflete no tempo de tratamento. Enquanto em muitos centros o paciente enfrenta demora de até seis meses para iniciar o tratamento, na Oncologia o calendário depende unicamente da realização dos exames. Com os dados em mãos, a quimioterapia pode ser iniciada imediatamente após a primeira consulta. A radioterapia, por ter um planejamento mais complexo e depender de uma quantidade maior de exames, normalmente é iniciada de 10 a 20 dias após a consulta inicial. Para Broecker Neto, o bem-estar das pessoas sempre esteve no topo de suas convicções, por isso é um ferrenho defensor de que a saúde não pode ser partidária, uma lógica que deveria ser levada ao pé da letra em todo o Brasil para permitir condições e qualidade de vida para as pessoas.

Fonte: M + Comunicação | Redação: Marcia Greiner

 

Top