Você está aqui
Home > Cenários & Dados > Índices da Segurança Pública de São Leopoldo apontam para redução da criminalidade

Índices da Segurança Pública de São Leopoldo apontam para redução da criminalidade

Na manhã desta quinta-feira (12), a ACIST-SL apresentou a sétima edição do Boletim Socioeconômico Trimestral para associados, imprensa e convidados. O bloco temático foi a Segurança Pública, que contou com um painel com as autoridades do setor.

 

O BOLETIM SOCIOECONÔMICO PODE SER ACESSADO AQUI.

 

Além das informações econômicas, o destaque foi a criação de índices de violência, medidos a partir das estatísticas, de 2012 a 2019, sobre latrocínio, homicídio, furtos, roubos, roubos de veículos, estelionato, armas e munições, feminicídio, estupro, lesão corporal e ameaça. Estas informações também foram avaliadas nos municípios de Novo Hamburgo, Gravataí e Canoas, por terem características socioeconômicas semelhantes entre si. O desenvolvimento do Índice de Violência foi coordenado pelo Núcleo de Excelência em Competitividade e Economia da Unisinos, utilizando como fonte os órgãos oficiais da Segurança Pública.

 

Conforme o levantamento, São Leopoldo está em terceiro lugar no índice em relação aos outros municípios, com 95,3. Gravataí ficou em primeiro lugar, com mais números de casos e contabilizou índice de 129,1. Canoas ficou em segundo lugar, com 106,9 e Novo Hamburgo, com 84,2. O economista Marcos Lélis, que avaliou os dados sob o ponto de vista técnico, ressalta que o desempenho de cada cidade leva em conta suas particularidades e suas formas de atuação. De modo geral, os dados estão em queda,  mas há muito a realizar.

 

Dentre os diversos dados, os que mais surpreenderam foram os relativos à violência contra a mulher no município de São Leopoldo.  No ano passado, foram 20 feminicídios tentados, contra oito de 2012. O feminicídio, por outro lado, não correu em 2019, mas foram cinco em 2012. O número de estupros também reduziu. De 42 passou para 28. Lesões corporais e ameaças também tiveram redução, mas ainda preocupam as autoridades. A delegada responsável pela Delegacia da Mulher (DEAM), Michele Arigony, disse que ter um local adequado para receber as vítimas de violência doméstica tem contribuído para o aumento dos dados, pois antes sequer eram denunciados. “Estamos fazendo um amplo trabalho junto às comunidades para esclarecer sobre estes crimes, atuando muito na prevenção”, destacou.

O delegado Eduardo Hartz, responsável pela 3ª Divisão Regional Metropolitana da Polícia Civil, comemorou implantação da DEAM após 25 anos de luta, bem como AA criação da DRACO, para ajudar no controle do crime organizado e o melhor atendimento à população, por meio do Totem de autoatendimento na Delegacia de Ponto Atendimento. “Ações como esta ajudam a reduzir os índices de violência e estimulam os agentes de Segurança Pública”.

O capitão Demian Riccardi, do 25º Batalhão de Polícia Militar, lembrou que a Briga Militar atua de maneira muito forte contra a violência à mulher  por meio da Patrulha Maria da Penha, formada por policiais especialmente treinados. “Sempre chamamos a atenção para a importância da medida protetiva. É ela que assegura que possamos agir rapidamente”.

Sobre o Boletim – O Boletim Socioeconômico é uma iniciativa da ACIST-SL elaborada a partir das  ações estratégicas definidas em janeiro de 2018, por ocasião da revisão do seu Planejamento Estratégico. Naquele momento, foram apontadas as bandeiras de atuação da entidade: Educação, Meio Ambiente, Segurança Pública, Valorização da Cidade e Valorização do Ambiente Empreendedor.

Seu conteúdo é desenvolvido pelo Núcleo de Excelência de Competitividade e Economia Internacional da Unisinos, que pesquisa e analisa os dados e tem o apoio financeiro das empresas associadas Frontec, Sicredi, Sinodal, Certivale, SKA e Vila Rica.

Para efeitos comparativos, são apresentados um panorama de outros três municípios escolhidos por serem semelhantes geográfica e economicamente a São Leopoldo: Novo Hamburgo, Canoas e Gravataí, pois pertencem à Região Metropolitana de Porto Alegre e possuem mais de 200 mil habitantes.

 

 

Fonte: Imprensa ACIST-SL | SENHA Comunicação Integrada

Top